quarta-feira, março 14, 2007

Renascer...devagar

Estava frio. Muito frio.
Mas mesmo assim, apetecia-me ainda lá estar, naquela paz... lá tão alto que parece que estamos perto de céu.

No outro dia pensei em ressuscitar este blog. Ok, a minha vida mudou e muito, não tenho tempo para escrever e sinceramente não sei sobre o que hei de escrever mas pensei que não podia acabar assim com aquele que foi o meu diário nos maus momentos.
O diário que me viu bater no fundo, me viu levantar aos poucos e me viu tornar-me feliz.
Não era justo.
E agora que acho que estou a atravessar uma das melhores fases da minha vida, não podia deixar de partilhar. É uma fase com um stress muito tranquilo...que não me atinge porque eu não deixo...


Não prometo posts diários. Não prometo nada, mas vou voltando.

quinta-feira, dezembro 07, 2006

Pausa

Acho que não preciso de dizer que este blog morreu. Fui eu que o deixei morrer por negligência. Não vou explicar a razão de ter deixado de escrever, simplesmente deixou de fazer sentido. Quando percebi isso, ainda criei outro blog mas também nesse deixou de fazer sentido escrever.
Não é que tenha nada para dizer. Pelo contrário, há dias em que acho que era capaz de escrever páginas e páginas sem fim. Mas o assunto é delicado demais e eu não o quero enfrentar por isso finjo que ele não existe. Sou muito mais feliz assim, a viver um dia de cada vez.
É por isso que quando penso neste blog me dá uma sensação estranha…má, porque o associo a tudo aquilo que eu teria para dizer e não digo. A ninguém.

Assim, faço aqui uma pausa. Deixo-vos o último texto que escrevi. Não para “postar” mas porque me pediram para o fazer e eu fiz… e este foi fácil!

Até breve.

Sinto a tua respiração no meu pescoço, seguras-me a cintura e apertas-me contra ti. Fecho os olhos e sinto teu corpo encostado ao meu, relaxo e entrego-me. Viro-me de frente para ti para te beijar, a minha respiração fica ofegante. Puxo-te o cabelo…o meu corpo começa a querer entrar pelo teu.
A tua mão toca-me e eu estremeço. Olhas-me nos olhos, porque gostas de me ver a ter prazer. Dá-te prazer saber que és tu que me fazes sentir assim. Só tu.

Abraças-me com força, queres-me toda para ti…ficas descontrolado. Tiras-me a roupa e paras para olhar para mim…beijas-me o peito, a cintura, a barriga, as virilhas e dizes “ Adoro os teus gemidos, princesa”.
Contigo em cima de mim, sinto-te entrar de uma só vez ao mesmo tempo que me abraças com força. Beijas-me na boca, apertas-me, fazes-me gritar.

Há alturas em que olho nos teus olhos e consigo ver o quanto me queres, sinto que estou ali para ti, que sou incondicionalmente tua e que tu és meu. Quero-te dar cada vez mais prazer, todo o prazer que tu consigas ter e só isso dá-me o mesmo prazer a mim. Troco de posição para a que tu mais gostas e tu retribuis fazendo o mesmo.
Ficas louco, pões-me louca a mim e eu perco a noção de tudo, aperto-te com força quando te sinto explodir.
Abraço-te, limpo o suor do teu peito. Nessa altura passam-me um milhão de coisas pela cabeça para te dizer que resumo com um “Amo-te muito”. Porque te amo, mesmo muito.

segunda-feira, outubro 30, 2006

Férias, outra vez!




Vou de férias, vou de férias, vou de férias!!!
Vamos passar os nossos dias de anos a Bilbao, avião bem cedinho, Hotel marcado e uma cidade à nossa espera.

Só nós os dois, a banheira cheia, o pequeno-almoço no quarto…jantar fora, passear, tirar fotografias, rir, beber, comer, dormir… Podemos fazer o que quisermos porque esta semana é só nossa e eu quero me divertir muito!
Estou ansiosa, histérica, atarefada, eufórica!

A todos, bom feriado e até ao meu regresso.
(Não se esqueçam de me dar os Parabéns dia 1 pelos meus 26 anos!)

sexta-feira, outubro 13, 2006

Sexta-feira 13



Estou feliz. Feliz por existir, feliz por ser feliz, feliz por fazer os outros felizes, feliz porque o meu pai faz anos, feliz ….
Estou bem comigo mesma, apetece-me segurar a porta aos outros, ajudar velhinhas a atravessar a rua, levar cafés ao meu chefe, contar anedotas, dizer parvoíces…enfim.

Se a sexta-feira 13 me deixa assim, venham mais…muitas mais.

Bom fim-de-semana para todos!!!!!

sexta-feira, setembro 29, 2006

Ora bem…


Novidades:
*A gasolina desceu pela 9ª vez consecutiva desde não-sei-quando (Graças a Deus!)
*Amanhã é dia mundial da Secretária (como é sábado ninguém me vai dar prenda)
*A Princesa Letizia está grávida e se não tem um rapaz, não chega a Rainha (e então????)
*A Sarah Jessica Parker está grávida!! (Tão linda a nossa Carrie!)
*A Merche Romero emagreceu porque acabou com o Cristiano Ronaldo (pois, pois…)
*O Sporting continua a ser o MAIOR!
*A Madonna segiuiu a Victoria Beckmann e cortou o cabelo
*”O Diabo veste Prada” estreia dia 26 (YES! YES! YES!)
*A Floribella dá um showtógrafo amanhã no Olivaishopping e no próximo sábado é a vez do FF. (esta é importantíssima)

E assim vai o Mundo.
E eu? Eu não tenho nada para dizer ou se calhar tenho tanto que começava a escrever e nunca mais parava.

Como detesto ver o meu cantinho aqui parado, lembrei-me de ajudar os mais distraídos a estar dentro das cusquices do momento. Desculpem a falta de originalidade, a cabeça não dá para mais.

sexta-feira, setembro 01, 2006

Férias

Ninguém tira 3 dias de férias…Só eu, mesmo.
Estou ansiosa por dar uns mergulhos e torrar ao sol. Preparar a geleira de manhã com sandes de atum e água fresquinha, (sim, eu comprei uma geleira…) vestir o biquini e pôr-me a andar…

Bom fim-de-semana a todos, eu vou ali fazer o euromilhões, pode ser que já não volte.

terça-feira, agosto 22, 2006

Soro da verdade















Voltei ontem ao trabalho. Não, não estive de férias…estive internada com uma pielonefrite aguda (infecção renal…)
Eu bem dizia que me doíam os rins, as pernas e que andava muito cansada…
Depois de um dia de cão, cheia de febre e de dores, fui ás urgências… depois de muita “palpação”…:
-Vais ficar internada, se for o que desconfio ficas uns dias a fazer antibiótico intravenoso…
E fiquei. Depois de muitos exames, uma ecografia deu de caras com as pedras no rim direito!
Tira sangue, muda o soro, mede a febre, mede a tensão…enfim, coisas normais de hospital.

Foram 6 noites sem dormir contigo.
A primeira noite que dormi em casa, abraçaste-me o tempo todo e se me mexia, apertavas-me contra ti como se não me quisesses deixar fugir.
E desde aí, parece-me que voltámos ao início de tudo…Dou contigo a olhar para mim com um sorriso nos lábios, o nosso abraço é especial, amamo-nos cada vez com mais intensidade, dizes que me amas de manhã, á tarde e á noite, trocamos mensagens durante o dia que mostram o quanto queremos chegar a casa, estar nos braços um do outro, sem roupa, sermos um só…

É tão bom que ás vezes não parece verdade…

terça-feira, agosto 01, 2006

Não há definitivamente mês mais estúpido que o de Agosto. Tal como os Domingos, não é carne nem é peixe.
Para se ir de férias em Agosto, partilha-se a praia, o parque de campismo e a piscina com famílias numerosas, de geleira, chapéu-de-sol, baldes e pás das crianças que gritam insistentemente “Ó mãeeeeeeeeee!” por tudo e por nada.
Mas pior que isso (e vamos lá a ver se para o ano eu aprendo) é estar aqui a trabalhar.
“Não há chamadas perdidas” e “You have 0 new messages" é o que mais tenho lido por aqui… As colegas tagarelas estão a banhos e eu estou literalmente a olhar para as paredes.
E só eu sei como olhar para as paredes me consegue deixar louca. Sejam elas do escritório, da sala, do quarto ou do raio que as parta.
O tempo não passa, só pensamos em merda e o estado de ansiedade é incontrolável.

Passei assim 5 dias (e 5 noites…). O coração, apertado, batia descontroladamente, a cabeça questionava tudo, o estômago não tinha fome, os olhos encheram-se de lágrimas uma vez…lágrimas de desespero que secaram quando este se tornou em angústia, em dúvidas atrás de dúvidas e perguntas sem resposta…
De repente tudo passou. Não porque as minhas dúvidas se tenham dissipado ou porque tenha encontrado as respostas para as minhas perguntas mas porque quem ama, perdoa. Perdoa mas não esquece e agora o que mais me custa é estar sem saber se vou algum dia passar por tudo outra vez... se aguento, se me habituo...

Até que ponto é que perdoar não faz com o que o outro volte a ter motivos para pedir desculpa?

sexta-feira, julho 21, 2006

O que é que eu faço quando toda a gente quer estar comigo e eu não quero estar com ninguém ?
O que raio se está a passar nesta minha cabeça? Não percebo nada.

terça-feira, julho 18, 2006

There will never come a day,
You will never hear me say that I want or need to be without you
I wanna give my all…

Baby, just hold me
Simply control me
Because your arms, they keep away the lonely

When I look into your eyes, then I realize
All I need is you in my life
Cause I never felt this way about lovin’
Never felt so good, baby

Never felt this way about love and it feels so … good…


"Alicia Keys, never felt so good."

terça-feira, julho 11, 2006

24 horas


Dizem os especialistas que devíamos dividir o dia da seguinte forma:
*Dormir 8 horas
*Trabalhar 8 horas
*Gozar as restantes 8 com o que nos der mais prazer
Pergunto-me se há aí alguém que tenha 8 horas para simplesmente não fazer nada…
Pergunto-me se é justo chegar a casa á hora do jantar já cansada …
É que 24 horas não chegam para nada. Eu preciso de dormir pelo menos 10 para não acordar a odiar o mundo, trabalho uma média de 10, passo 2 nos transportes…sobram 2 certo?
Solução? Optei por dormir menos para poder estar com alguém ou fazer alguma coisa que goste, se me virem de olheiras e raivosa que nem um cão de manhã, é normal.

sexta-feira, julho 07, 2006

Vim só dizer

QUE JÁ RECEBI O IRS !!!!!!!!!!! Achei importante partilhar ....

terça-feira, julho 04, 2006

?



Dou voltas e voltas. Leio e releio. Penso, penso, penso.
E nada…
Não consigo matar a Vivian, que já foi Marta, que sofria tanto…que sonhava tanto em ser feliz.
Mas também não a quero manter… parece-me tudo tão escuro aqui. Esta já não sou eu.
Pensei em mudar as cores, a foto do perfil…qualquer coisa…mas também não é isso que eu quero…
O que é que eu faço?!

quinta-feira, junho 22, 2006

Obrigada

Estou desde ontem a pensar no que hei de escrever. Depois de um post tão triste, se viesse explicar o quanto sou feliz, provavelmente quem lê iria achar que enlouqueci. Foi então que li o comentário e um post do ti toi.
As pessoas escrevem quando estão tristes, já se tem falado muito sobre isso.
A diferença é que as raparigas são inseguras, imaginam coisas, são dramáticas e radicais, tentam culpar alguém e acabam sempre a culparem-se a elas próprias. Umas com razão, outras nem tanto.
Há as que percebem que afinal estavam a exagerar, as que têm razão e as que não percebem nada de nada.
E também acho impossível que todas tenham tido azar! Mas afinal, o problema é das raparigas ou dos rapazes?

A moral da história aqui é que os blogs também devem servir para expressar a nossa felicidade.
E se o meu serviu para a tristeza de segunda-feira, hoje serve para dizer que já passou. Que me fazes muito feliz. Que te amo.

segunda-feira, junho 19, 2006

Regressei hoje de umas longas e merecidas férias, não tinha saudades nenhumas do despertador, nem do comboio e muito menos do escritório. Depois de dar uma olhadela nos 493 e-mail’s que tinha e de organizar as facturas, tinha de vir escrever.
Já tinha saudades deste cantinho, onde eu posso (ou podia?) escrever tudo o que se passa na minha vida, na minha cabeça, no meu coração… E o meu coração está triste. Muito triste. Desiludido.

Está provado cientificamente, e lembrou-mo a Marta Crawford, que quando estamos apaixonados, o nosso corpo liberta uma substância que transmite ao cérebro uma sensação de dependência e de obsessão incontrolável, este sentimento dura normalmente entre 18 a 30 meses.
Eu estou apaixonada, não nego nem escondo, não preciso. Mas há coisas que não entendo, para as quais não encontro uma explicação lógica. A angústia de procurar respostas para as minhas perguntas está-me a consumir, deixa-me exausta.

Relaxo não é? Tenho tentado, mas está difícil.
Se ao menos soubesse que tens tantas saudades minhas como eu tenho tuas...

terça-feira, maio 16, 2006

Visão

A TPM foi-se embora e a M levou com ela a T…

Há dúvidas que se mantêm na minha cabeça, mas agora percebo que não sou eu que vejo turvo, que estava preocupada sem razão. A culpa não é minha, eu continuo a ser a mesma. Os outros é que mudaram, vêem a realidade ao contrário. Ou se calhar vêem bem, mas não vêem a mesma que a minha ou a que era nossa. Percebo perfeitamente que a perda de visão é um dos efeitos secundários da paixão; que o amor é cego e vê…percebo isso tudo, por isso não me vou preocupar mais. Resta-me estar aqui á espera e rezar para que tudo corra bem. Porque é a felicidade dos que amo que me faz a mim feliz.


E por falar em visão…
Saí do comboio. Na estação, àquela hora, bate o sol forte da manhã e no vidro vi reflectida a minha imagem. Vi uma Mulher.
Não era eu, não era a menina que eu acho que os outros ainda vêem em mim ou viam. A que eu vejo nas fotos antigas...
E se há dias que morro de saudades da menina e que tenho medo de envelhecer, há outros, como o de hoje em que me orgulho de ser o que sou e de saber o que sei.
Estou cansada. Ás vezes sinto que não vou aguentar mais, mas se não fosse assim, não era eu. Raramente falto a um compromisso e faço das tripas coração para estar em todo o lado, para chegar para toda a gente. Dou voltas á cabeça a tentar conciliar horários com pessoas e sítios para conseguir fazer tudo.
E agora penso: para quê? Será que alguém me dá mais valor por isso? Não vejo os outros fazerem o mesmo por mim.

Mas eu sou assim. Estarei errada? Acho que não.
Devo estar é a precisar de férias.

terça-feira, maio 09, 2006

TPM

Tenho a cabeça a mil. Estou cheia de dúvidas, completamente baralhada.
Já nada é como era, é a sensação que eu tenho. Chego a casa e não está lá ninguém. Não é que não goste, mas não estava habituada. Sinto-me perdida, contente e orgulhosa ao mesmo tempo.

E se há uns dias me sentia a mulher mais feliz do mundo por muitas razões, hoje estou cheia de medo. Aterrorizada, mesmo.
Como se a felicidade tivesse passado por mim e eu a tivesse deixado fugir! Ou pior, como se eu a estivesse de alguma forma a mandar embora.
Será que eu fiz alguma coisa e não me lembro? Será que eu mudei? Será que eu falhei?
Por muito que eu tente “ver” as coisas, analisá-las e fazer um ponto de situação, está tudo turvo. Não vejo pessoas, vejo vultos. Não sei o que pensam nem eu sei o que penso delas. Não consigo ver nada com nitidez e faço um esforço brutal para me manter lúcida.
Culpo-me pelo que se passa á minha volta e neste preciso momento em que escrevo sinto-me a enlouquecer como se nada disto fizesse sentido e a cabeça dói-me.
Hoje acordei de manhã e sozinha no quarto, disse em voz bem alta: “Foda-se, Caralho!”.

E digo eu que não costumo ter TPM. Então o que é isto? Porque é que me sinto a carregar o mundo ás costas?

Se ao menos estivesses aqui para me abraçar … para me ouvir desabafar sobre a minha loucura passageira …

quarta-feira, abril 26, 2006

Baileys, Sex and the City





Eu bebo Baileys, certo? Toda a gente sabe que eu bebo Baileys.
Então para que é que fui beber vodka? A sério, expliquem-me!
Para não me lembrar de nada? Para chorar no ombro dos amigos a dizer que quero ir para casa? Para obrigar a minha amiga a tomar conta de mim mesmo quando eu teimo que consigo fazer tudo sozinha? Para ler em voz alta na casa de banho as mensagens do telemóvel? Para pagar 20 euros de táxi até casa?
Baileys volta, estás perdoado.


Ontem foi dia de praia, compras e Sexo e a Cidade. Vi o último episódio que fez-me pensar em muita coisa.
A Carrie encontrou o amor que tanto procurava, a Samantha apaixonou-se, a Miranda tornou-se numa mãe de família e a Charlotte finalmente conseguiu ser Mãe…adoptiva, mas Mãe.
São aqueles últimos episódios que não queremos ver porque não queremos que acabe. Aqueles que nos fazem chorar por nos despedirmos de pessoas cuja vida acompanhámos. E embora sendo ficção, tudo aquilo acontece.
E no fim, pus-me a pensar…será que temos de passar dos 35 para sermos felizes? Para realizarmos os nossos sonhos?
E porque é que elas, mesmo com vida de Nova Iorquinas, encontram sempre tempo para estarem as 4 e nós não?
Porque é que a nós nos falta uma? A Miranda também tinha uma família, foi viver para longe e ainda assim nunca se afastou.
Porque é que não nos podemos simplesmente juntar as quatro, uma vez por semana que fosse, e falar de tudo? Umas casam, outras apaixonam-se, juntam-se, engravidam, umas estão felizes, outras nem por isso… se não nos tivermos umas ás outras, com quem é que falamos sobre o que andamos aqui a fazer?

É certo que a ficção dá um ar mais perfeito a tudo…mas a realidade é que somos quatro mulheres com os medos, as mesmas dúvidas, os mesmos problemas que elas, a diferença é que não usamos Manolos, Prada nem Channel…por enquanto.
Em Nova Iorque, a história tem um final feliz e em Lisboa também há-de ter nem que seja daqui a 10 anos…só espero que até lá continuemos todas juntas e sejamos todas muito felizes, ou esta aliança que trago no dedo há quase nove anos, não faria sentido.

quarta-feira, abril 19, 2006

Ain't no sunshine when you're gone


Ain't no sunshine when you're gone
It's not warm when you're away
Ain't no sunshine when you're gone
And you're always gone too long
Anytime you go away

Wonder this time where you gone
Wonder if you're gonna stay
Ain't no sunshine when you're gone
And this house just ain't no home
Anytime you go away

And I know, I know...that you'll be back.

quarta-feira, abril 12, 2006

I’m back!
















O Chile é lindo, tanto a Capital como o Sul…terra virgem, a cordilheira, os glaciares…
A vida de Buenos Aires encantou-me! Uma cidade com 6 milhões de habitantes, gente bonita, confusão, trânsito, calor, o Tango tão sensual…adorei!
Mas não há cidade como Lisboa. A minha Lisboa. Com as pessoas que eu amo.
Adorei sair daquela porta do aeroporto e ver a minha família.
10 dias pareceram 10 semanas, não era capaz de estar longe daqui, nunca!


As saudades tuas chegaram a doer, sabias?
Esse teu beijo, o teu cheiro, o abraço… fazes-me tão feliz! Tão feliz.
Embora saibas porque sentes, nunca te disse pessoalmente o quanto gosto de ti porque não consigo pô-lo em palavras, nem escritas nem ditas, é bom de mais para conseguir explicar. Por já ter passado por tantas desilusões, ainda não consegui livrar-me dos meus medos…das minhas dúvidas, por isso calo-me e deixo apenas que sintas nos meus gestos e beijos a intensidade do que estou a sentir. E tenho a certeza que captas a mensagem… vejo-o nos teus olhos. Os olhos que me ficaram a ver adormecer ontem, os que pedem para não sair da cama de manhã…esses olhos lindos que tu tens! Obrigada por me fazeres sentir viva outra vez, obrigada por retribuíres o que recebes.
Abençoado avião que nos juntou…