sexta-feira, junho 17, 2005

17/06/05

Afinal ele não desistiu. Afinal teve saudades e lembrou-se dos bons momentos. Teve saudades das minhas gargalhadas e do meu sorriso.
Mandou-me um e-mail só para saber se eu já estava a trabalhar e para me experimentar…Como não resisti e respondi, o telefone tocou logo a seguir.
Novamente não resisti e quando ele perguntou se eu queria sair, disse-lhe para passar lá por casa.
Que saudades daqueles braços, daquele corpo que me abraça com força, do sorriso, do cheiro, do peso em cima de mim, do sussurrar nos meus ouvidos quando quer dizer alguma coisa importante.

Sei que sou fraca, que não resisto e que estava melhor sem ele mas como ele mesmo disse porque é que duas pessoas que gostam uma da outra hão-de estar separadas e a sofrer quando podem estar juntas e felizes?
Continuo confusa, agora que tinha decidido acalmar e estar sozinha, ele volta e eu não sei se fiz bem em cair nos braços dele.

Devia haver cursos para se aprender a lidar com paixões.