domingo, agosto 07, 2005

..Sábado, quatro da manhã



É o que dá ir a uma discoteca onde não se é cliente habitual...Afinal a DJ que lá devia ter ido, não foi e aos primeiros acordes do YMCA, devorei o resto do Baileys e corri para a caixa!
Vou ter de ir para casa sóbria e sem sono enfrentar a solidão, pensei eu...e não queria.
Não queria chegar aqui e ver que não está ninguém á minha espera, não queria ver a cama vazia e pensar que vou mais uma vez acordar sozinha, não queria passar outra noite em claro.

Terça-feira ele dormiu comigo, falou dos problemas e dos seus projectos de futuro como sempre.Foi bom senti-lo agarrado a mim a noite toda, todinha. Sei que gostou que o acordasse pelo meio...e eu ainda adoro a maneira como me diz bom dia depois de .... de...enfim...
Tenho tantas saudades de fazer amor! Acho que já o fizémos uma vez, há muito tempo!
Ou será que fazemos? Não, eu iria perceber...Será que algum dia vamos fazer?

Hoje ao telefone disse que está quase: ”Dentro de pouco tempo vamos poder dormir na nossa cama e vais poder brincar com os teus babies (os gatos) que estão sempre a perguntar por ti”
Parte do princípio que é isso que eu quero. E é. Por isso é que ainda aqui estou, á espera, embora todos os dias me passe pela cabeça deixá-lo. Vou tentar, só esta última vez...porque no fundo tenho esperança que a vida dele mude, que acalme.

Mas e quando eu não dormir na “nossa” cama? Vais dormir sozinho, baby?

Que ridículo, o que é que eu estou para aqui a dizer????!
Acorda Marta! Deixa-o de uma vez foda-se!!!!!!!!!