sexta-feira, janeiro 06, 2006

Vou morrer!




Ontem não houve jantar (nada que eu já não estivesse á espera), a minha irmã fez-me companhia, grelhámos umas salsichas frescas e fizemos um arrozinho.
A maluca da A. não estava em casa e adormeci no sofá, mais ou menos na altura em que o Reynaldo Gianecchini dava uns bons amassos na Cláudia Raia. Eram 2 da manhã quando acordei com a sensação de que tinha uma pedra a arder dentro do estômago…desesperada e sem querer ligar a acordar a minha mãezinha, liguei para a assistência médica a implorar ajuda, e responde-me um filho da puta dum brasileiro: (que me desculpe a comunidade brasileira)
“Cê tá bem medicada, num tem porrquê cê tá com dô”
Pois, isso sei eu! Obrigadinha, ó palhaço.
Com muita dificuldade, lá me levantei para fazer um chá e acabei por adormecer de cansaço. Hoje estou na mesma, paguei 5€ por um robalinho que ficou quase todo no prato. Maldito antibiótico!

Antes disso, no MSN:

-Olá, lembras-te de mim?
-Não, desculpa
-Sou irmão da S., primo da R., fomos apresentados quando andavas no curso…
-Isso foi há tantos anos…
-Mas eu vi-te há pouco tempo…em Santos
-É possível.
-E tu ficaste a olhar para mim…
-Fiquei?!
-Sim, não queres ir beber um café?
-Não te estarás a precipitar um bocadinho? Não costumo ir assim beber café sem mais nem menos….
-Pois, desculpa. Mas eu sou assim.
-Sempre assim?
-Quando vale a pena
-E porque é que achas que vale a pena?
-Porque me lembro de ti e és muito interessante
-Ah…pois, então mas fala-me de ti…
-Preferia dizer-te tudo pessoalmente
-Tou a ver que és persistente
-Enganas-te…só pergunto duas vezes
-Estás quase a desistir então…mas não é à 3ª que é de vez???
-Ai é à 3ª? Então…queres vir beber café? Tou para ver se é de vez…
-Bom, ganhaste. Tá aceite.
-Quando?
-Domingo, pode ser?
-Perfeito, devemos ter a mesma agenda….Posso ligar para combinarmos?
-Sim.

Gostei da voz, espero não me arrepender. Isto nem parece meu.