terça-feira, janeiro 31, 2006

Ventos Polares




Pronto. Agora já chega. Teve piada o primeiro mês, até o segundo mas agora já chega. Não tinha noção que era tão dependente de carinho, de amor…pensei que me aguentava assim por algum tempo, mas estava errada.
Já não consigo olhar para um rapaz sem pensar como ele seria para mim, já todos me parecem bonitos, por dentro ou por fora. Sinto falta do calor de um corpo, de um abraço, de um toque. Não imaginam a importância que dou a um beijo. Um beijo, uma coisa que parece tão banal para os que o têm todos os dias.
Oiço uma música e imagino-me a cantá-la para alguém, alguém que não conheço, alguém que invento na minha cabeça. Onde é que ele estará? Será que existe?

O tempo passa. E nada muda. Casa-trabalho. Trabalho-Ginásio. Ginásio-Cama.
Não vou ao cinema, não passeio na praia nem no jardim, não saio para jantar, não durmo fora de casa nem acompanhada. O meu sorriso é carente, pede atenção.

A casa está ainda vazia. Não tem calor, nem sentimentos. E se há dinheiro (que também não tenho) que compre mobílias, tapetes e aquecedores, não há que compre o resto. Não há loja onde ir comprar ou catálogo onde encomendar.
Já sei que se deixar de procurar, ele aparece. Já sei que tenho de gostar de mim primeiro. Já sei que devo aproveitar o tempo para sair e divertir-me. Já sei que um dia quando menos esperar, ele vai aparecer. Já sei que sou nova e tenho tempo…poupo-vos já o trabalho de comentarem este texto, sei isso tudo.

Só não sei se o meu coração aguenta esta vaga de frio, este vazio…